quinta-feira, 28 de abril de 2011

Uma reportagem

Uma reportagem da TVI, aqui (a partir dos 28 minutos e 50 segundos).

A décima terceira história

São doze as histórias protagonizadas pelo pequeno Tukie em «O Sorriso Enigmático do Javali». Por causa de um trabalho do meu filho, de seis anos, para a escola, escrevi a décima terceira. Pode ser lida até amanhã por esta hora no blog do livro, aqui.

quarta-feira, 27 de abril de 2011

O animal feroz fala educadamente com a jornalista

«Judite de Sousa, espero que se renda a esta minha resposta.» José Sócrates, ontem à noite, durante uma entrevista à TVI

terça-feira, 26 de abril de 2011

Meio da tarde

Vista do montado, a partir de casa, esta tarde.

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Uma cidade mítica

Estive no encontro «Palavra Ibérica 2011», em Tavira, com escritores do Algarve e da Andaluzia. Falei no painel de encerramento, sábado passado, à noite. Quando cheguei à Biblioteca Municipal, que tem o nome de um dos heterónimos de Fernando Pessoa (Álvaro de Campos), estavam os trabalhos quase a recomeçar. Parei por momentos à porta da sala, apanhei o telemóvel num dos bolsos das calças e preparei-me para tirar uma fotografia. Na altura em que carregava no botão, veio alguém cumprimentar-me. A foto é a que aqui publico, toda tremida.
Gostei muito de participar no encontro. Pelo facto de ser no Algarve, e com escritores tanto da minha terra como do sudoeste de Espanha, a certa altura da intervenção lembrei-me das viagens que fazia em criança até Ayamonte, e de como a partir de Vila Real de Santo António, ali perto de onde estava a decorrer o encontro, eu, pequenino, via o Guadiana tão grande, imenso como depois nunca mais o vi com o olhar de adulto. O rio que eu, pequenino, observava no cais antes de apanharmos o barco.
Lembrei-me também de uma promessa que me tinham feito, a de que mais do que a Ayamonte eu haveria de ir a outra cidade de Espanha: Huelva. Mas eu acabei por nunca ir a Huelva, de forma que nesses tempos já tão distantes ela se tornou para mim, pequenino, uma espécie de cidade mítica. Não, uma espécie não, tornou-se verdadeiramente uma cidade mítica. Lembrei-me também, enquanto falava disto na noite de sábado, que uma vez, em Vila Real de Santo António, contei esta história. Terá sido há uns três ou quatro anos, numa iniciativa relacionada com os meus livros. Já quase no fim, uma mulher pediu a palavra e disse-me que tinha nascido em Huelva mas que morava em Vila Real de Santo António porque se tinha casado com um português. Era a parte em que me faziam perguntas, mas ela não queria fazer nenhuma pergunta, queria apenas dizer-me que Huelva, essa cidade mítica da minha infância, não era de forma nenhuma uma cidade mítica. E que se eu quisesse que fosse lá, agora já adulto, para disso tirar a prova. Disse-lhe que sim, que haveria de ir. Mas ao mesmo tempo eu sabia que estava a dizer aquilo e que não era verdade. Eu nunca haveria de ir a Huelva. Acho até que nunca hei-de ir, apesar de conhecer a maior parte de Espanha. Prefiro ficar com a ideia de que Huelva, a cidade de que eu ouvia falar com cinco ou seis anos, nas viagens para Ayamonte, é mesmo, será sempre, uma cidade mítica.

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Ano após ano

É terrível, ano após ano, ver um país a ser governado por vigaristas. E sempre com novos vigaristas à espreita.

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Pelo montado

A TVI veio hoje ao montado. Depois, quando for para passar na televisão, ponho aqui.

terça-feira, 12 de abril de 2011

O que escrever

Tenho de pensar bem no que escrever no boletim de voto nas próximas eleições legislativas. Não vou fazer quinhentos quilómetros e gastar cinquenta euros para depois escrever a primeira coisa que me vier à cabeça assim que olhar para o boletim. Tenho mesmo de pensar bem.

domingo, 10 de abril de 2011

Palavras ibéricas

Iniciativa «Palavra Ibérica 2011» (com escritores do Algarve e da Andaluzia), em Tavira, no próximo fim-de-semana. Participarei no painel de encerramento, sábado, dia 16, pelas 21H30, na Biblioteca Municipal Álvaro de Campos.

Castelo no ar, esta manhã

O ensino da economia

Depois de Portugal ter sido levado à falência e de tudo o que se tem seguido por estes dias, uma das curiosidades que tenho é sobre o que a Faculdade de Economia do Porto poderá fazer com Teixeira dos Santos depois de este deixar de ser ministro. Será possível que o aceite como professor?

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Zapping

Fui percorrendo os canais da televisão. A certa altura fiquei com a ideia de que a Sport TV estava a transmitir em directo o congresso do PS. Eventualmente vi mal. Ou não...

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Em Vilamoura

Esta manhã, no Colégio Internacional de Vilamoura, que tem alunos de quarenta e duas nacionalidades, para falar sobre o livro «O Sorriso Enigmático do Javali». Na biblioteca, para alunos do 8º Ano e do Year 9 e ainda membros do Grupo de Jornalismo do colégio, no âmbito de uma iniciativa denominada «A Magia das Palavras Contadas», coordenada por Dina Adão. Site do colégio aqui.

terça-feira, 5 de abril de 2011

O problema

O principal problema dos políticos, agora, é que não têm mentiras novas para contar. Talvez seja mesmo o único problema que têm, da esquerda à direita, do centro até ao palácio principal do país.

domingo, 3 de abril de 2011

Luz apagada

Eu vi de fora, sem grande interesse no que pudesse acontecer, obviamente. O único comentário que posso fazer é que foi mesmo muita falta de nível, no fim, terem apagado a luz e ligado a rega do relvado.

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Pelas escolas

Não sei se é verdade... Ouvi dizer que José Sócrates e vários membros do seu governo, além de gente da oposição, obviamente (porque os tempos exigem união), se têm desdobrado ao longo do dia pelas escolas do país, para encontros com alunos. Foram convidados, neste primeiro de Abril, para contar mentiras.

Escola Prof. José Buisel (Portimão), ontem a tarde